segunda-feira, 27 de abril de 2015

O CONCELHO DO ALANDROAL EM POESIA - Por Jerónimo Major

DIREITO À OPINIÃO

NOTA PRÉVIA:
Tendo em conta que o assunto abordado no “DIREITO À OPINIÃO” que se segue, assim como o divulgado na passada sexta-feira com o título “ÚLTIMA HORA” versa um assunto do foro pessoal, pese embora referente a factos praticados em funções de índole pública, motivo q.b. para que o mesmo seja divulgado…
Atendendo a que se trata de um assunto de certo melindre, e ainda sujeito a resolução final…
 Tal como o autor da opinião se identifica e o protagonista da questão é sobejamente conhecido, e possam, se assim o entenderem, replicar…
Entendeu por bem o responsável pela colocação de comentários não aceitar os enviados a coberto do anonimato.
Apenas serão aceites comentários devidamente identificadas e posteriormente confirmados, enviados directamente para o mail que consta na barra lateral à direita.

Administrador

A reacção do ex-presidente J.N é a normal, esperavel e banal nestas circunstâncias após ouvir a sentença condenatória. Que não será assim tão leve e impensada quanto poderá parecer à primeira vista a quem foi, entretanto,já condenado.
Assim como é normal e banal (no sentido histórico que este termo tem desde a Idade Média) ir recorrer da condenação dos tais 17 crimes de peculato. Não é nada de novo. Ou a que não estejamos crescentemente habituados no rectângulo.
Esta pratica tornou-se habitual em Portugal, até mais do que devia, num tempo em que muita gente anda a sacudir a água do capote.
O que seria original e democrático, era aceitar a sentença e pedir desculpa ao Alandroal e aos seus munícipes por mais um caso de criticável e duvidosa gestão de dinheiros públicos dos quais não tinha de dispor deles, sem o controle adequado dos órgãos competentes da Autarquia.
Os Tribunais em Portugal e no Redondo podem ser lentos, agora não se deve acreditar nem se pode aceitar que sejam total e indevidamente incompetentes no "julgamento justo" de casos destes. 
Que, infelizmente, se vêm multiplicando e têm uma palavra central a acompanhá-los que escuso de estar aqui relembrar. 
Quero mesmo crer, enquanto cidadão que, ao fim e ao cabo, tanto o Alandroal como os alandroalenses dispensam de bom grado ver-se nas bocas do mundo por julgamentos e situações destas. E onde muito provavelmente faltou "uma ética da responsabilidade" na governação local. Uma situação que nunca deveria ter acontecido. Nem tem de vir a repetir-se.
Neste sentido, acrescentaria, finalmente, que estou crente que o Tribunal tanto condenou como manteve certamente uma postura pedagógica. É essa, aliás, mais uma das suas funções sociais reconhecidas. 

Melhores saudações
Antonio Neves Berbem 

O CONCELHO DO ALANDROAL FESTEJOU O 25 DE ABRIL




fotos: facebook C.M.A.

domingo, 26 de abril de 2015

DEPOIS DE ABRIL

                                         Depois de Abril
                                                                     Sobrou o tempo, a espera, …
                                                         O cravo deposto debaixo do monumento
                                                        As línguas paradas, o pensar as palavras,
                                                                         O vento o sol a chuva,
                                            O mesmo povo cuidando melancólico de rosas e buganvílias
                                                      À espera que as trevas se transformem em luz
                                             A noite em dia, e a chuva em sol, não a que rega as buganvílias,
                                                       Mas a chuva de raios e troviscos, que revolta,
                                            A mesma gente, os mesmos genes de antes e depois de Abril,
                                                       Uns passeiam despreocupados vivendo à grande,
                                                  Mas o povo, o Zé, contando as moedas para pão e leite.
                                                                          Depois de Abril é assim,
                                                        O mesmo povo à espera de outra revolução.
Vítor Pisco
26/04/2015

DUQUES & CENAS - Rubrica de J.L.N.

O Papa Francisco continua a ser uma inspiração para a maioria dos membros da Igreja Católica e para todos os crentes e não crentes. Pensei em convidá-lo para vir almoçar cá em casa, no Domingo de Páscoa. 
É da tradição reunir os mais próximos à volta da mesa e passar este dia na conversa, petiscando e beberricando o que estiver mais à mão. Não sei se ele gostaria de favas com chouriço, mas havia sempre um plano B chamado omeleta ou febras grelhadas. Mas tenho a certeza do prazer que a minha família sentiria em estar com ele. E tenho a certeza do prazer que ele sentiria em estar com a minha família. Porque ele é vários num só e é muito mais que o líder moral de uma Igreja. Tem rosto de pai, de avô, de irmão mais velho, de professor, de amigo, de ser humano. Talvez, por isso, na minha mesa ele fosse apenas mais uma pessoa de família. Sei que seria o estatuto que mais lhe agradaria.
E sabes o que te digo, Francisco? Que a tua Igreja começa a respirar melhor. E tenho para mim que o Mundo vai começar, lentamente, a despertar, para o verdadeiro valor da vida.
João Luís Nabo

In Montemorense – Abril 2015

DESPORTO NO FIM-DE-SEMANA - RESULTADOS

FUTEBOL
A-F- E-
Divisão de Elite – Subida
Viana 2 – Lusitano 2
Perolivas 1 – Redondo 1
Juventude 4 – Escoural 3.
Manutenção/ Subida
Oriola 0 – Lavre 1
Calipolense 0 – Monte Trigo 2
Borba 4 – Cabrela 0.
Divisão de Honra – Subida
Arraiolos 1 – Estremoz 1
Canaviais 2  – Alcáçovas 1
Portel 2 – Outeiro 1.
1ª Divisão
Vendas Novas 6 – Juventude B 0
Montoito – Canaviais B
Aguiar 1 – S. Romão 1.
Benjamins
Terena 1 – Juventude B  1
F-P-F-
Nacional de Seniores – Fase Manutenção
Série G
Malveira 0  – Sintrense 3
Cova da Piedade 1 – União Montemor 2
Pinhalnovense 0  – Loures 1
Sacavenense 1 – Fabril 0.
Série H
Moura  1 – Reguengos 1
Angrense  2 – Lusitano V.R.S.A. - 1
Aljustrel 2 – Quarteira 1
Praiense 2 – Ferreiras 2.
FUTSAL
2ª Divisão - Manutenção
União Montemor 6 – Fonsecas e Calçada 3



PORQUE HOJE É DOMINGO

sábado, 25 de abril de 2015

                              ABRIL AMORDAÇADO
                                                                   Onde estão "Cravos de Abril"?
                                                             Onde estás meu "País Novo"?
                                                             -Nas mãos de gente tão vil
                                                              Que quer esmagar o povo!- 
...
                                                                Já não há Capitães Fortes
                                                                Que lutem p'la Liberdade
                                                                E sem provocarem mortes
                                                                Revirem a Sociedade?
...
                                                                Onde estão os sonhos mil
                                                                Que Gente de Bem sonhou
                                                                 Em Vinte e Cinco de Abril
                                                                 E que alguém os abortou?!...
...
                                                                 Onde é que estão os Direitos
                                                                 Em "Jura, Constituídos"
                                                                 Não respeitaram conceitos?
                                                                 Deviam ser arguidos!!!
...
                                                                 Se "Naquela Madrugada"
                                                                 O povo alegre cantou
                                                                 Na que hoje foi passada
                                                                 Desiludido chorou...
...
                                                                 P'las garras do capital
                                                                 É traido e é roubado
                                                                  Não esperava, afinal
                                                                 Ver "Abril Amordaçado".
...
Ausenda Ribeiro



sexta-feira, 24 de abril de 2015

ÚLTIMA HORA

Ex-autarca com pena suspensa Ex-presidente da câmara do Alandroal julgado. O Tribunal de Redondo condenou esta sexta-feira o ex-presidente da Câmara de Alandroal a cinco anos de prisão com pena suspensa e ao pagamento, à autarquia, de uma  indemnização no valor de 51 mil euros. Foram dados como provados 17 crimes de peculato. Na sentença lida esta tarde, João Nabais foi absolvido de 190 crimes de peculato de que estava acusado.

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/portugal/detalhe/ex_autarca_com_pena_suspensa.html


OIÇA CLIKANDO AQUI A REAÇÃO DE J. NABAIS AO DESFECHO DA SETENÇA, NUMA ENTREVISTA EXCLUSIVA À RÁDIO CAMPANÁRIO





VASCULHAR O PASSADO - Rubrica mensal de Augusto Mesquita

                                  Há 15 anos, João Machado foi medalhado


 Por deliberação de 28 de Fevereiro de 1997, a Assembleia Municipal aprovou por unanimidade, sob proposta da Câmara, o Regulamento sobre as Insígnias Municipais. Em 2000 o processo foi retomado e terminou com a apresentação das propostas das insígnias, pelos escultores Professores Hélder Batista e João Duarte, dois dos maiores medalhistas portugueses, ambos com currículos impares, quer no plano nacional quer no plano internacional, e ainda, pelo facto de o primeiro ter sido o responsável pela cadeira de medalhística na Faculdade de Belas Artes de Lisboa, e de o segundo, o ter substituído no cargo.

Por decisão de 15 de Março de 2000 a Câmara deliberou por unanimidade manifestar o seu aval ao avanço da concepção das propostas de Insígnias Municipais, traduzidas na “Chave da Cidade” e “Medalha de Mérito”, de acordo com as maquetas apresentadas, da autoria dos referidos escultores.
 A primeira Medalha de Honra “Liberdade, Progresso e Justiça Social” foi atribuída a João Joaquim Machado no dia 25 de Abril de 2000.
Quem foi João Joaquim Machado? O “Machadinho”, como também era conhecido, nasceu a 14 de Setembro de 1921, na antiga freguesia de São Mateus do concelho de Montemor-o-Novo. Aos 14 anos já se manifestava contra a guerra civil de Espanha e contra o regime fascista de Portugal.
Filia-se no Partido Comunista Português em 1943, iniciando desta forma a sua actividade política. Foi preso pela primeira vez em 1945, depois de ter participado activamente nas jornadas por melhores salários para os trabalhadores agrícolas, tendo sido levado para a prisão de Caxias.
Em 1947, fruto das lutas por trabalho e contra a fome e miséria que se vivia nas famílias dos trabalhadores rurais, foi preso pela segunda vez, e levado para o Aljube. Em 1949, na sequência da Campanha Eleitoral em que a Oposição Democrática apresentou o General Norton de Matos, voltou a ser preso enquanto activista nesta campanha, passando pelas prisões do Aljube, Caxias, Peniche e Setúbal.
Foi preso uma quarta vez, em 1958, quando participava numa manifestação de protesto pela burla eleitoral, que fez com que o General Humberto Delgado não fosse eleito, e a ditadura fascista continuasse.
Em 1961, quando participava activamente nas jornadas pelas 8 horas de trabalho nos campos, e quando a GNR acompanhada pela PIDE, o tentava prender, assaltando a sua casa, e de seu irmão Manuel, na madrugada de 5 de Maio, conseguiu fugir, passando um ano na clandestinidade. Voltou a ser preso em 1962, em Vila Viçosa, tendo sido levado para o Aljube, Caxias e Peniche, onde permaneceu 6 anos.
Ao longo da sua luta de resistência antifascista esteve preso cerca de 10 anos tendo sido barbaramente torturado, e passado 10 meses incomunicável. Em suma, fez parte activa de todos os Movimentos de Oposição Democrática ao fascismo, e até à Revolução de Abril manteve uma intensa resistência antifascista, luta pela liberdade e melhores condições de vida para o povo. A partir de 1974 participou activamente nas lutas pela democratização do país, pelo desenvolvimento do Alentejo e pela Reforma Agrária.
Em 1974 tornou-se funcionário do Partido Comunista Português. Em 1976 foi Candidato à Assembleia Constituinte. Fez parte desde o início da União dos Resistentes Antifascistas Portugueses, das Comissões de Base de Saúde e das Comissões de Moradores. Como membro da URAP, fez parte da comissão que construiu o Monumento de Homenagem a José Adelino dos Santos, erigido no local onde tombou, assassinado pela GNR, e mais tarde, participou na Comissão Pró-Monumento aos Resistentes Antifascistas do Alentejo.
Reformou-se em 1986 mas continuou sempre com a sua actividade política. Guardo na memória, a imagem do Senhor João Machado distribuindo o “Avante”, transportado na sua bicicleta a pedais…
Como foi referido, a 25 de Abril de 2000, o Município de Montemor-o-Novo atribuiu a João Joaquim Machado a Medalha de Honra “Liberdade, Progresso e Justiça Social”.
Esta concessão, determinada por unanimidade, e em cuja votação, participaram eleitos da CDU, do PS e do PSD, teve como base a sua vida, que constituiu uma referência de cidadania, e confirma, a admiração e o respeito, que os políticos montemorenses de todas as áreas, tinham pelo antifascista.
No Editorial do Boletim Municipal n.º 163, de Junho de 2000, o Presidente da Câmara Municipal, Dr. Carlos Pinto de Sá, escreveu:
            “João Machado recebeu, na passagem do 26.º aniversário da Revolução de Abril e na presença de uma multidão que sobrelotava o Cine Teatro Curvo Semedo, a primeira insígnia municipal da “Liberdade, Progresso e Justiça Social”. A sua vida é um exemplo de busca e luta permanente, corajosa e coerente pela liberdade, por uma sociedade mais justa, livre e fraterna. É certo que o aparelho ideológico dominante nos vende diária e subtilmente o individualismo egoísta, a (in)felicidade do consumismo, o endeusamento do mercado e do dinheiro. Mas é igualmente certo que a luta por ideais e valores de justiça social e de humanismo não só mantém actualidade como se sente a sua urgência. Ao longo da sua História, o Povo do Concelho de Montemor-o-Novo tem dado provas provadas do seu inconformismo, da sua disposição de desbravar novos caminhos de progresso. O João Machado simboliza, como felizmente muitos outros, a rebeldia, o sentir colectivo, a iniciativa, a dignidade profunda do que de melhor tem a alma montemorense.
            Uma sociedade mais justa e democrática passa, também, pela capacidade de fazer participar, aos mais diversos níveis, os cidadãos nos processos de tomada de decisão. O sistema político do Poder Local Democrático tem funcionado bem e permitiu, desde o 25 de Abril, vencer atrasos de décadas. Invocando “a necessidade de aproximidade aos cidadãos” alguns querem alterar este sistema. Querem por exemplo, que a Câmara não seja eleita directamente pelos cidadãos ou que seja o Presidente, e não o voto popular, a escolher os Vereadores. Percebem?!
            O caminho não é restringir a democracia ainda com a dose “quanto baste” de midiáticas lágrimas de crocodilo. Precisamos, isso sim, de aprofundar a democracia. Há, pois, que continuar a lutar e a construir. A lutar contra a discriminação de que o Alentejo e Montemor continuam a ser alvo por parte do Poder Central (por exemplo, na distribuição de verbas do III QCA da União Europeia), a lutar pela defesa do mundo rural, pela criação de emprego, pelo desenvolvimento. A construir, em colaboração com instituições e cidadãos montemorense, um concelho onde se viva, no que ao Poder Local depende, cada vez melhor”.
            João Machado faleceu no dia 22 de Março de 2012. Na “Folha” de Abril desse ano, escrevi um texto dedicado à “toponímia montemorense”, e no qual propôs a atribuição do nome do nosso concidadão João Joaquim Machado, resistente antifascista, a uma artéria da cidade. Propus para o efeito, a rua de acesso ao novo Centro Escolar e às Piscinas Cobertas. Lamento que o nosso município, tenha homenageado, atribuindo os seus nomes, individualidades que nada fizeram em prol do País e da Vila Notável, e se esqueça dos seus filhos. Encaixa que nem uma luva, o velho provérbio: “Montemor sempre foi melhor madrasta que mãe”.

Augusto Mesquita – Abril 2015
Publicado in : “Folha de Montemor” mês Abril 2015, transcrição autorizada pelo Autor


AS NOSSAS SUGESTÕES

                                              ALANDROAL



                                                  ÉVORA




TIRE AS SUAS CONCLUSÕES

                     Em 21 do corrente mês, no facebook da C.M.A. , era colocado o seguinte aviso:


                           Hoje no site da Rádio Campanário, é destaque a seguinte notícia:

 Manifestação em Lisboa deixou alunos do concelho de Alandroal sem transporte e almoço.

                           Veja desenvolvimento da notícia AQUI

NOVAS DA CONFRARIA DOS CHICHAROS

                           VISITE O FACEBOOK


                                                          E DEIA-NOS A SUA SUGESTÃO

        https://www.facebook.com/groups/477469192341897/?fref=ts

                                        6 ou 13?

DESPORTO PARA O FIM-DE-SEMANA

                                                              FUTEBOL

Divisão de Elite – Subida
Viana – Lusitano
Perolivas – Redondo
Juventude – Escoural.
Manutenção/ Subida
Oriola – Lavre
Calipolense – Monte Trigo
Borba – Cabrela.
Divisão de Honra – Subida
Arraiolos – Estremoz
Canaviais – Alcáçovas
Portel – Outeiro.
1ª Divisão
Vendas Novas – Juventude B
Montoito – Canaviais B
Aguiar – S. Romão.
Benjamins
Terena – Juventude B (Jogam 1º e 2º Classificado com o mesmo número de pontos. Quem vencer será o campeão. Vamos apoiar os nossos Benjamins).


Nacional de Seniores – Fase Manutenção
Série G
Malveira – Sintrense
Cova da Piedade – União Montemor
Pinhalnovense – Loures
Sacavenense – Fabril.
Série H
Moura – Reguengos
Angrense – Lusitano
Aljustrel – Quarteira
Praiense – Ferreiras.



                                                                        FUTSAL
2ª Divisão – Manutenção
União Montemor – Fonsecas e Calçada





A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA DIANA/FM

                                                      Seriedade

Sexta, 24 Abril 2015
A extinção do BES veio colocar como tema da actualidade a questão dos reembolsos aos clientes não institucionais do ex-BES pelos investimentos feitos por aqueles em papel comercial de sociedades do Grupo Espírito Santo, algumas atualmente em processo de insolvência, e será tema que necessariamente se manterá na agenda até à sua resolução.
Confiança é termo chave na economia e para os agentes económicos. E manter a relação de confiança é absolutamente fundamental para o equilíbrio do sistema financeiro.
Pois é precisamente esse elo de confiança que terá sido quebrado e que, no limite, essa falta de confiança poderá alastrar a outras instituições financeiras. Em boa verdade a imagem que hoje teremos do setor não é nada aproximada daquela que todos já tivemos.
Aliás, haverá aqui uma relação directa entre a perda de valor das instituições bancárias e a sua atual imagem.
Mas voltemos à questão inicial e que se prende com os reembolsos aos clientes do ex-BES pelos investimentos feitos.
Quer os ex-responsáveis do banco, quer os actuais responsáveis do banco que lhe sucedeu, quer ainda os reguladores terão nesta matéria responsabilidades que não deverão isentar-se de assumir.
Qua a culpa não morra solteira é o mínimo que se poderá pedir.
Preocupante foi ouvir recentemente o comentário de um dos lesados dizendo que grande parte destes investimentos foi feito por pessoas que colocaram ali todas as suas economias e que se encontram já numa fase adiantada da sua vida e, consequentemente, não terão tempo para ver esta questão dirimida pelos tribunais.
É que, pese embora, as acções judiciais que possam ter sido intentadas, estas só terão um desfecho daqui a alguns anos. É assim que funciona o nosso sistema. É lento.
Será de acreditar que muitos destes investidores o fizeram de uma forma inocente, acreditando que não estariam a investir em produtos de (alto) risco, podendo alguns deles estar elucidados do risco que corriam. Contudo será impossível distinguir uns dos outros.
Certo é que os prejuízos da atitude de não reembolsar às tantas serão superiores ao do reembolso.
Desde logo pela perda de valor que deriva de se considerar não honrado um compromisso por uma instituição que se quer credível e, também, porque não estando o problema resolvido, pelo sim pelo não, quem vier a adquirir o novo banco certamente teve este aspeto em consideração, não venha mais tarde a ter que responder por esta responsabilidade.
É que a perda de valor da instituição em causa, e a sua venda por valor inferior ao expectável, será suportado de alguma forma por outros agentes setor, os quais, necessariamente, farão refletir esses efeitos nos seus clientes, ou seja, seremos, como sempre, de uma ou outra forma a suportar esse custo.
Até para a semana
Rui Mendes