segunda-feira, 25 de maio de 2015

É QUE ESTAMOS MESMO “FEITOS AO BIFE”

                             BOLAS ! NEM UM SE SAFA... É TUDO FARINHA DO MESMO SACO

                                  
                                     E ESTES PASSARÕES? PARECEM GALOS NO POLEIRO …


                                                   AGORA AINDA POR CIMA VEM “ESTA”

                                                                        
                                                                          E DEPOIS… CLARO!



DIVULGAÇÃO - INICIATIVA C.M.A.


MEMÓRIAS


Já que o calor se aproxima e vai sendo o tempo delas, lembrei-me  de republicar esta história verídica passada na minha infância (juventude, idade do armário, etc).
Evidentemente que os nomes são fictícios, e quem “conta um conto, acrescenta-lhe um ponto” mas o essencial está lá.

               O GOSMA E AS MELANCIAS

Ainda hoje estou convencido, que o Gosma não fez aquilo com a intenção que na altura lhe deram. Foi até levado pelo exemplo do pai que em casa e antes de partir uma melancia costumava dizer: Vamos lá galar esta para ver se não fui enganado. Chama-se galar uma melancia tirar um pedacinho da mesma, para provar e ver se a mesma está madura e vermelhinha.
Naquela tarde quente de Verão, o Gosma, na sua vadiagem habitual foi até ao melancial do Manel Perdigoto, e como a sede apertava e a navalhinha estava ali mesmo no bolso, vá de fazer um buraquinho na melancia, tirar uma falhinha para provar, e matar a sede, depois por a casca no mesmo sítio e ninguém dava por nada. Só que na altura os seus verdes anos começaram a fazer-se sentir, e começou como se costuma dizer a picar-lhe a cevada na barriga, e o buraquinho na melancia era uma tentação, mais que a mesma estava mesmo quente. Não esteve com meias medidas e então no sentido literal da palavra galou mesmo a melancia. O pior é que gostou e passou a ser o seu divertimento diário. Ao fim de uma semana tinha feito um considerável estrago no melancial até porque as mesmas começaram a apodrecer, e como não podia deixar de ser uma tarde foi apanhado, e devidamente zurzido.
Mas o pior estava ainda para vir quando há hora do jantar o criado do Manel Perdigoto apareceu à porta do pai com um carrinho de caixa cheio de melancias podres a exigir da parte do patrão que as mesmas fossem pagas. 
O Gosma levou tal sova, que até inchou, e o pai ainda não satisfeito esfregou-lhe as melancias na cara uma por uma.
A partir daí e no que toca a melancias o Gosma ficou mestre pois além de fornicar as melancias ainda ficou a saber o que é masoquismo e sexo oral com melancias.
Chico Manel


NESTE PORTUGAL PROFUNDO HERÓIS E HEROÍNAS QUE SABEM RESISTIR

NO ALENTEJO

Dados do Instituto Nacional de Estatística referem que no 1º trimestre deste ano, a taxa de desemprego no Alentejo foi de 15,5%.

A segunda edição do certame ÉvoraWine, dedicado aos apreciadores de vinho, está marcada para o próximo fim de semana, esperando contar com a presença de 40 produtores e cerca de 160 vinhos à prova. O programa inclui, além de animação, um curso de iniciação ao vinho, um curso avançado de vinho, “showcookings”, mostra de produtos regionais e dois “workshops”, um para testar os sentidos e outro sobre o corte de presunto.

Dois vinhos da Adega Cooperativa de Vidigueira foram distinguidos com troféus de Excelência e Ouro no concurso Uva de Ouro, certame reconhecido oficialmente pelo IVV-Instituto da Vinha e do Vinho.

A GNR está a investigar o aparecimento de peixes mortos nas margens da barragem do Divor, localizada no concelho de Arraiolos.

O eurodeputado do PS Carlos Zorrinho e o diretor-geral do Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo, João Carlos Mateus, são os oradores de uma conferência que se realiza hoje em Évora. A conferência, que decorre, a partir das 21:00, na Biblioteca Pública de Évora (BPE), tem como tema “Desenvolvimento, empreendedorismo e inovação: da região Alentejo para a Europa”.

                                                                      IMPRENSA





domingo, 24 de maio de 2015

OS NOSSOS POETAS - Matias José Recorda-nos Catarina

                                                              «NO CAMPO DE TRIGO»

                                                     Debaixo de um sol escaldante, abrasador, 
                                                     Era assim o trabalho da ceifa no Alentejo… 
                                                     Desde o nascer do dia, até o astro se pôr, 
                                                     Mão e foice ceifavam o trigo com manejo. 

                                                      As mãos calejadas da ceifeira portuguesa... 
                                                      Catarina Eufémia, trabalhadora de Baleizão, 
                                                      Mulher corajosa e de forte determinação, 
                                                      Líder do movimento rural, tal camponesa! 

                                                      Personificação tenaz na luta pela liberdade, 
                                                      Símbolo de dedicação aos grandes ideais… 
                                                      Defendia os valores da justiça e igualdade, 
                                                      Pão para todos, e melhores jornas salariais. 

                                                      Todo o país estava em grande convulsão 
                                                      Oprimido pelo regime do ditador Salazar… 
                                                       Lutavam contra a repressão e exploração, 
                                                       E condições mais dignas para se trabalhar. 

                                                       No Alentejo, a greve e jornadas de luta 
                                                       Faziam os empresários ter que recorrer 
                                                       A gentes de fora para o trabalho se fazer… 
                                                       Mão-de-obra barata era a sua permuta; 

                                                       Descontentes, os camponeses abordaram 
                                                       Grupo de trabalhadores recém-chegados. 
                                                       Catarina disse: «porque não reivindicaram 
                                                       Salários mais justos para os assalariados?» 

                                                       Admoestada p'lo tenente Carrajola da GNR, 
                                                       Não se intimida e responde com autoridade… 
                                                       No mesmo instante, sem qualquer piedade, 
                                                       Ouvem-se vários disparos, e Catarina morre! 

                                                       No campo de trigo, já sem vida a campina, 
                                                       Deixa três filhos e dentro de si outro leva, 
                                                       O assassinato faz dela camponesa heroína... 
                                                       Finalmente em paz, seu espírito se eleva! 

Matias José

É DOMINGO… SORRIA!

PORQUE HOJE É DOMINGO, DIA DE DESCANSO JÁ É MOTIVO PARA SORRIR.
 MAS ALEM DISSO:
                  FICA MAIS ATRAENTE
                  ALIVIA O STRESS
                  EXERCITA OS MÚSCULOS DO ROSTO E DO CORPO
                  LIBERTA ENDORFINAS E SEROTONINA, A HORMONA
                  DÁ FELICIDADE E BOA DISPOSIÇÃO
                  FÁ-lo REJUVENESCER
                  FÁ-LO SENTIR PODEROSO E BEM SUCEDIDO
                 MOVIMENTA SÓ NA FACE 73 MÚSCULOS – O QUE É BOM!



DESPORTO - RESULTADOS

FUTEBOL
Divisão de Elite – Subida
Lusitano 3 - Redondo 0
Perolivas 2 – Escoural 1
Viana 3 – Juventude 1.
Descida
Lavre 1 – Monte Trigo 1
Calipolense 5 – Cabrela 1
Oriola 3 - Borba 1
Divisão de Honra – Subida
Alcaçovas 2 – Estremoz 2
Arraiolos 0 – Outeiro 0
Canaviais 2 – Portel 3.
Nacional de Seniores – Manutenção – Série G
Malveira 7 – Pinhalnovense 3
Sacavenense 3 – Cova da Piedade 1
Sintrense 2 – União 1
Fabril 2 – Loures 1.
Série H
Aljustrelense 1 – Angrense 2
Praiense 0 – Moura 2
Quarteirense  1 – Reguengos 1
Ferreiras 3 – Lusitano Vila Real 1

PARTICULAR
Veteranos Alter do Chão 2 - Amigos S. Brás dos Matos 7

FUTSAL
Manutenção 2ª Divisão Nacional
União 4 - Lagoa 3

FESTA DE MAIO NA MINA DO BUGALHO

Teve lugar no passado fim-de semana a tradicional Festa de Maio na Mina do Bugalho. Da tradicional Procissão em honra de S. Brás dos Matos dá-nos conta o nosso colaborador Vitor Matos

Realizou-se no passado fim de semana a Tradicional Festa de Maio na Mina do Bugalho. A Atividade Religiosa realizou-se como e tradição no Largo de São Brás junto ao Nicho com o nome do nosso Padroeiro.
Depois da Missa Campal realizou-se a Procissão em Honra de São Brás dos Matos, com as Imagens de São Brás dos Matos e de Nossa Senhora de Fátima.


Vitor Matos

quarta-feira, 20 de maio de 2015

UMA HISTÓRIA - Pelo A.C.

             Investigação na Praça do Teatro

Na Praça do Teatro a azáfama das máquinas escavadoras dá origem a uma cratera que mais parece ser o efeito da queda de um engenho explosivo de grande potência. As obras, que têm como fim a construção de um parque de estacionamento subterrâneo, em zona de influência do centro histórico, estão ao abrigo dos mirones por uma vedação cerrada de madeira.
Subitamente o ruído ensurdecedor dos motores em acção deixa de atentar contra os tímpanos dos transeuntes e a coluna de pó que entra pelas frestas das janelas, a alguma distância, acama-se paulatinamente marcando todos os recantos com resquícios da sua presença.
Ao princípio da tarde o arqueólogo chefe da Universidade é visto entrar para a zona das obras, vestido a rigor como qualquer engenheiro, sinal de que uma ruína, talvez restos de uma estrutura antiga foi posta à luz do dia pelas escavações.
Pelas onze e trinta da manhã uma secretária atendera uma chamada telefónica da parte do empreiteiro que dirige a construção do parque.
«Está lá..., sim..., estou..., ouve-se mal, estou no fundo do buraco...»
Do outro lado da rede uma voz feminina, trocista, questiona: –e quem o mandou meter-se no fundo do buraco?
O homem, meio irritado, volta à carga: «estou no fundo das obras do parque..., em frente ao Teatro..., o meu telefone tem pouca rede...»
–Agora ouvi perfeitamente, apressou-se a informar a secretária, em que posso ser-lhe útil senhor...?
«Minha senhora, uma escavadora pôs a descoberto dois esqueletos que estão juntos, quero dizer, na mesma cova..., não sabemos se há mais..., o manobrador fugiu com o susto que apanhou..., depois todos rimos..., mandei suspender os trabalhos até alguém entendido ver do que se trata.»
–Muito obrigada, ouviu-se a voz desinteressada da secretária, com certeza habituada a receber este tipo de recados, vou avisar o meu chefe, alguém... A chamada caiu levando a voz do empreiteiro a ecoar pelas paredes da cratera – está..., estou..., está lá...
A cidade é um conjunto de estruturas que se foram sobrepondo no tempo, assentes umas sobre outras, espreitando aqui e acolá algumas que ousam assomar-se através dos séculos.
Quando o Professor Saturnino Viegas se dirige para a Praça do Teatro vai conversando as suas divagações com as pedras dos muros e das calçadas, como é seu costume, porque as pedras velhas e gastas por vezes devolvem opiniões sensatas, assentes na experiência de longos anos passados.
–Já muito me admirava que ainda não tivessem encalhado em meia dúzia de cacos velhos, quanto mais não seja para cumprir a regra que é lei na “merda desta cidade” – não se levanta uma pedra que não se destape logo outra mais antiga.
Depois de passar a entrada da vedação de madeira o Professor Saturnino fica alguns segundos imóvel, enquanto limpa os óculos de aros metálicos redondos que lhe fazem os olhos ainda mais pequenos mas sem ocultar a aparência inteligente e observadora que transmitem. Cofia a barbicha desalinhada e continua a fazer comentários para si próprio. A escavação efectuada – emprega o termo por hábito profissional para designar a abertura feita – tem uma profundidade maior do que pensava. À medida que vai descendo por um trilho de pó, pouco seguro, vai observando as fatias dos muros circundantes, ainda crus. Afloram vestígios de casas da época medieval, cristãs e árabes, sem dúvida bem fora da cerca defensiva dessa época. O que leva a concluir que estamos perante um arrabalde muito antigo, onde cristãos e árabes viveram paredes meias – um espaço raro de tolerância entre os dois credos.
O homem que o arqueólogo palpita ser o empreiteiro veste um blaser com uma camisa branca e calça clara bem vincada, que lhe negam o estatuto de assalariado e tem um capacete de protecção de cor azul marinha em contraste com os amarelos dos homens que o rodeiam. Encontram-se no topo sul da abertura gigantesca, já com cerca de quinze metros abaixo do solo, olhando absortamente para o que deve ser o achado que é motivo da sua visita às obras do parque de estacionamento.
Quando pressentem a sua presença abrem um pouco o círculo que formam e o Professor Saturnino Viegas fica frente a frente com o senhor Arantes Gaspar, empreiteiro diplomado da construção civil, a quem os funcionários da firma construtora chamam, por dá cá aquela palha, de senhor engenheiro. Quase encostada ao muro do topo sul, protegida pela sombra que lhe forma uma espécie de cortina, vê-se uma fossa estreita e pouco profunda que contém, à primeira vista, duas ossadas humanas.
Depois das apresentações formais e de um pedido de investigação acelerada do assunto, pois a empreitada tem os minutos contados, o senhor Gaspar – considerando-se um mecenas das coisas antigas – dá um jeito às mangas do casaco que abotoa cerimoniosamente como se de uma inauguração se tratasse e aponta para o sítio a que o arqueólogo dá toda a atenção desde que chegou.
Saturnino Viegas repete o gesto de cofiar a barbicha desalinhada, denunciando um tique que sucede quando os acontecimentos lhe absorvem por completo o pensamento, enquanto se dirige ao outro de modo imperativo.
–Apenas uma hora, senhor engenheiro, para recolha de algum material e tirar meia dúzia de fotografias, apenas uma hora – sublinha, já envolto pela penumbra do seu trabalho. O senhor Arantes Gaspar faz qualquer comentário descabido a que Saturnino Viegas já não dá atenção, embora lhe responda: –sim, sim, deve voltar a enterrar os mortos para que reiniciem o repouso que lhes estorvou.
                                                                       ***
No gabinete do chefe do Departamento de Arqueologia da Universidade a área é contada ao centímetro. As paredes estão tapadas de estantes apinhadas de livros que Saturnino Viegas localiza um a um sempre que é necessário. Pelos cantos e chão do aposento todo o cuidado é pouco para não danificar algum dos muitos objectos antigos vindos de estações arqueológicas para investigação, depositados sem qualquer ordem aparente mas o utilizador do gabinete movimenta-se no exíguo intervalo entre as preciosas antiguidades como se ali nada existisse. Na secretária de mogno, com tampo de vidro embutido, também há alguma confusão de papéis e três ou quatro peças de cerâmica do calcolítico que contrastam com o computador pessoal do arqueólogo.
Bem em destaque no centro da mesa de trabalho estão por ordem dez fotografias a preto e branco, tantas quantos os ângulos possíveis em que o Professor Saturnino conseguiu fotografar a sepultura descoberta na obra do parque de estacionamento da Praça do Teatro. E dispostos simetricamente, por baixo da fiada de fotografias acabadas de revelar, vêem-se três peças ósseas relativas aos restos mortais recolhidos no túmulo para fins de investigação, já que ainda na sua presença, Saturnino Viegas assiste ao camartelo revolver o espaço milenar que minutos antes tratara com admiração e respeito e confundi-lo com toneladas de entulho retirado do fundo da obra.
As fotografias confirmam as primeiras ilações da observação atenta feita “in loco”. Trata-se de um enterramento árabe, pois os esqueletos encontram-se posicionados de lado, com a parte facial do craneo orientada para Meca. Mas os craneos estão numa atitude bizarra, dispostos entre a parte do esqueleto dos pés dos mortos, sem dúvida ali colocados propositadamente. O Professor embrenha-se nas fotografias, nos restos dos despojos humanos, na visão de centenas de anos atrás...
O tique de cofiar a barbicha instala-se..., não dá conta do corrupio de gente que passa para as aulas ou outros departamentos da Universidade..., não ouve sequer o toque insistente da campainha do gabinete, accionada por dois alunos que desistem da espera e resolvem fazer a entrega de um trabalho para mais tarde.
Levanta-se, acende um cigarro junto à porta envidraçada das traseiras da sala que dá para o jardim da Universidade. O dia está bonito, o sol entra a jorros pelas vidraças, a passarada anda num delírio com o cheiro da primavera. Saturnino não dá por isso. Quando volta para a secretária discursa em voz alta, fixando os livros e pedras velhas como se de uma assistência se tratasse. “A sepultura não apresenta sinais de ter sido violada em épocas anteriores. O que significa que os dois corpos foram decapitados, sendo as cabeças postas junto aos pés no momento do enterramento, por alguém que respeitou a fé dos crentes. O exame minucioso, quer no local, quer pelas fotografias, determina que um dos esqueletos pertenceu a um homem com idade compreendida entre quarenta e cinquenta anos no momento da morte, não mais, de estatura média – cerca de um metro e sessenta e cinco de altura – e pelo estado de conservação dos ossos, nomeadamente da cabeça do fémur recolhido, que não apresenta sinais de desgaste ósseo importante, suscita a imagem de alguém que não utilizava a força física – tinha homens que trabalhavam para si... podia ser um príncipe ou um rei...
O segundo esqueleto em questão identifica uma mulher nova, talvez não tivesse mais de dezoito anos, o máximo vinte e, curiosamente, tinha uma estatura um pouco superior ao homem – cerca de um metro e setenta centímetros. Os ossos não apresentam sinais de doenças e algumas peças dentárias existentes têm bom estado de conservação, o que reflecte preocupação com a higiene pessoal, hábito enraizado apenas em indivíduos de status social elevado. O pequeno fémur retirado, de entre outros pequenos ossos depositados junto à bacia da mulher, permite-nos concluir que estava grávida quando foi executada..., o que transporta até nós um drama de grande intensidade e violência. Na cidade houve grandes convulsões durante a ocupação árabe e ao longo dos tempos da reconquista cristã. É importante datar o achado para que as conjecturas sejam mais fundamentadas”.
Do laboratório respondem ao fim de alguns dias que os ossos analisados têm cerca de oitocentos anos, com uma margem de erro até oitocentos e cinquenta anos e que o estudo genético vai demorar, pelo menos, mais...
Saturnino Viegas já não ouve a restante informação dada pelo seu interlocutor.
Para o chefe do Departamento de Arqueologia da Universidade os decapitados eram seguramente parentes. Talvez marido e mulher..., príncipes muçulmanos..., talvez pai e filha...
O arqueólogo dá a última passa no cigarro que esmaga no cinzeiro de pé alto, recosta-se no cadeirão flexível em atitude de repouso, fica em estado de semi-hipnose seguindo o feixe de luz que atravessa o silêncio do gabinete e vai atingir certeiramente um pequeno emblema heráldico, meio escondido numa das estantes atafulhada de livros. Simboliza uma tragédia semelhante à que acaba de fantasiar nesse tempo distante de há oitocentos anos...
os decapitados de Ebora.

AC


DESPORTO

                                                                                FUTEBOL
                                                             Divisão de Elite – Subida
                                                                       Lusitano - Redondo
                                                                       Perolivas – Escoural
                                                                       Viana – Juventude.
                                                                               DescIDA
                                                                      Lavre – Monte Trigo
                                                                     Calipolense – Cabrela
                                                                           Oriola - Borba
                                                           Divisão de Honra – Subida
                                                                       Alcaçovas – Estremoz
                                                                         Arraiolos – Outeiro
                                                                          Canaviais – Portel.
                                             Nacional de Seniores – Manutenção – Série G
                                                                    Malveira – Pinhalnovense
                                                                 Sacavenense – Cova da Piedade
                                                                          Sintrense – União
                                                                               Fabril – Loures.
                                                                                   Série H
                                                                      Aljustrelense – Angrense
                                                                             Praiense – Moura
                                                                      Quarteirense – Reguengos
                                                                  Ferreiras – Lusitano Vila Real


                                                                                   FUTSAL
                                                         Manutenção 2ª Divisão Nacional
                                                                                  União- Lagoa










SUGERIMOS

NO ALANDROAL

EM MONTEMOR

EM MOURÃO
EM ÉVORA

DIÁRIAMENTE DAMOS A CONHECER A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA NA DIANA/FM

                                                  O asseio e a cidade

Quarta, 20 Maio 2015
Hoje vou falar-vos de um assunto que diz diretamente respeito a todos quantos vivem na cidade de Évora.
Refiro-me à limpeza e higienização da nossa cidade. Há quem ache que a cidade melhorou significativamente no que a este aspecto diz respeito com o regresso da CDU ao executivo da Câmara Municipal. Pois eu afirmo; não era necessário levar a cabo grandes medidas, para melhorar o estado das “coisas”. Porque os últimos anos da governação socialista na câmara municipal de Évora foram maus de mais, para poderem ser lembrados.
O certo é que Évora sempre fora tida e vista como uma das cidades mais asseadas do país. Recordo-me a este propósito de o meu avô paterno falar desta qualidade com vaidade e orgulho, e, defender que todos tínhamos o dever de preservar esta qualidade. Estou convencido de que a esmagadora maioria dos eborenses referem-se sempre com grande preocupação quando a cidade não prima pelo asseio que lhe é devido.
Não descuro o facto de que hoje em dia, com a inclusão dos movimentos pendulares, as pessoas que aqui se deslocam de manhã e que daqui saem ao final da tarde, a cidade de Évora alberga, todos os dias, mais de 70 000 pessoas. Esta realidade traz novas exigências à governação autárquica. São, portanto, mais pessoas a sujar e a produzir lixo.
No entanto, nas últimas semanas tenho constado que, nalgumas ruas e travessas do centro histórico, papeleiras e o chão, no início da manhã ainda se encontram por limpar. Esta situação não condiz com as exigências de qualquer cidade, muito menos com uma cidade que ostenta a qualidade de património da humanidade. Por isso, urge alterar rapidamente esta situação por óbvias e fundadas razões.
Com efeito, o executivo camarário tem o dever de persuadir os funcionários no sentido de se organizarem para que a limpeza e a recolha do lixo, até às 8H00 da manhã, possa ser realizada, pelo menos no centro histórico. Se isto for conseguido, estou certo que todos beneficiaremos com isso. Os que cá habitam e os que cá exercem as suas atividades económicas. Por outro lado, aqueles que nos vistam trariam mais gente à cidade de Évora, em virtude da boa imagem que daqui levariam.
José Policarpo


FESTA BRAVA


           

terça-feira, 19 de maio de 2015

A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA RÁDIO DIANA/FM

                                           Bullying

Terça, 19 Maio 201
Se dúvidas houvesse de que a agenda de opinião da esmagadora maioria de nós, no que respeita a assuntos de interesse geral, público e colectivo, e portanto político, é feita por certas notícias que se espalham de forma viral, mesmo tratando de gente comum, os acontecimentos sobre o bullying – começando no programa televisivo de talentos, passando pela cena de bofetão no feminino, até ao assassinato violento de um jovem de 14 anos das últimas semanas – dissipariam essas dúvidas.
São inúmeras as notícias, as opiniões e os assuntos que todos os dias são lançados pela comunicação social – ou nas redes sociais em que cada um de nós pode fazer a reportagem de algo a que se assistiu e que dê lugar a notícia, ou emitir a sua própria opinião baseada nos factos que escolheu ou de que lhe propuseram uma interpretação. Mas há umas que chocam e, como tal, naturalmente, se tornam tema central de conversa, quase como se nunca tivessem existido ou, na curta memória humana, tivéssemos esquecido para continuarmos a viver as nossas vidas para lá do que nos incomoda, como muitas vezes tem de ser, sobretudo quando não temos responsabilidades oficiais sobre o assunto.
O bullying é a prática de actos violentos, intencionais e repetidos, contra uma pessoa indefesa, uma vítima que pode sofrer danos físicos e psicológicos irreparáveis. A palavra surge do inglês bully​, que significa brigão ou valentão, e desconfio que o que chocará nesta prática é mais a incapacidade de defesa da vítima do que a atitude do bully, uma vez que quando há dois bullies somos quase tentados a comentar que “estão bem um para o outro”. E talvez seja esta expectativa de andarmos todos a preparar-nos para responder à altura das dificuldades que vamos encontrar ao longo da vida, condescendendo em descer por vezes ao nível mais vil do ser humano enquanto membro do reino animal, que ao longo dos séculos fez dos que têm reacções menos instintivas – ou de um outro tipo de instinto – vítimas declaradas.
É que o bullying em si, e quando não dá origem a crime público, acontece mais frequentemente do que possamos pensar e, muitas vezes, é feito com um conjunto de pessoas a apoiar, como claque, a prática do insulto, da extorsão, da atitude violenta – com palavras ou actos – perante quem por princípio, opção ou dever não corresponda à reacção que parece ser a exigida pelo bully ou pela sua claque de apoio: responder à altura e partir para a guerra, em escaladas de violência que podem ir até à agressão física e ao insulto desbragado, assim mesmo na cara das pessoas.
bullying, mais do que com o exercício de um poder, que muitas vezes até se conquista com o sucesso após a sua prática e o aplauso dos pares que parecem transformar-se em seguidores ou súbditos, tem a ver, na minha opinião, com o respeito ou a infracção de limites do que se pode e deve, ou não, fazer e dizer. Se esse conhecimento é adquirido pelo exemplo, pelo discurso positivo, enfim pela educação que recebemos da comunidade que nos rodeia; e se o desrespeito desse limites é punível e punido efectivamente, através de sanções de vários tipos – e onde a liberdade não deve ser confundida com anarquia (mesmo quando esta é defensora de um pacifismo e uma autodefesa que deixa perigosamente à solta uma justiça sem regras) – então, teremos de encarar vários comportamentos que vamos achando normais – como os insultos proferidos pública e sistematicamente àqueles de que discordamos, às vezes a descer a avenida com as câmaras da TV atrás - como exemplo de muitos que fazem dessa prática uma atitude corrente e, contra o que lhes é adverso, do que lhes é incompreensível, do que muitas vezes apenas sai fora do comum, uma forma de reagir legitimada pelo cidadão comum e apenas suspensa quando outros limites se ultrapassam. É que também aqui, e não só nas coisas boas, o caminho se faz caminhando.

Cláudia Sousa Pereira

VASCULHAR O PASSADO - Uma rubrica mensal de Augusto Mesquita


                                             Escritores montemorenses já falecidos

            Ditosa vila que tais filhos teve
             
                D. FERNANDO MARTINS DE MASCARENHAS. Filho segundo de D. Vasco de Mascarenhas cursou a Universidade de Évora, e doutorou-se em teologia na de Coimbra, da qual veio a ser considerado.
            Foi Bispo do Algarve, Arcebispo de Lisboa e Conselheiro de Estado. Era considerado um dos maiores teólogos do seu tempo.
            Escreveu: Tratado de Auxílios, Oficium S. Anton, Ulisipon, Tratado sobre vários meios para o remédio do Judaísmo, e várias obras manuscritas.
            Na Sala do Exame Privado na Universidade de Coimbra, podemos contemplar um retrato deste nosso conterrâneo.
            Morreu em Lisboa a 20 de Janeiro de 1628.
                D. AFONSO FURTADO DE MENDONÇA, Era filho de Jorge Furtado de Mendonça e de D. Mécia Henriques. Principiou os seus estudos em Coimbra e concluiu-os em Lisboa. Foi doutor em cânones e Reitor da Universidade de Coimbra, Bispo da Guarda e de Coimbra, Arcebispo de Braga e de Lisboa, e Conselheiro de Estado. Tomou assento nas Cortes que Filipe I celebrou em Portugal em 1619.
            Escreveu: Ad Lamina Apostolorum, e a Constituição do Bispado da Guarda, além de três cartas ao Duque de Bragança, que estão na Biblioteca de Évora.
            PADRE ANDRÉ FERREIRA. Foi mestre-escola da Colegiada de Santa Maria de Alcáçova de Santarém, onde faleceu em 1 de Abril de 1633. Tem uma capela na Igreja da Misericórdia de Montemor-o-Novo, e deixou escritas as Memórias da Vila de Montemor-o-Novo.
            LUÍS MARTINS DE SOUSA CHICHORRO. Poeta notável do séc. XVII, escreveu o poema, “Psalmos de David” em verso heróico português e latino. Deixou em seu testamento para a capela no Convento de S. Francisco em Montemor-o-Novo, a quantia de um milhão e cem mil réis, para se dar juros. Foi sua filha D. Maria de Sousa Chichorro, a primeira administradora da dita capela.
            MANUEL BANHA QUARESMA. Bacharel pela Universidade de Coimbra. Foi advogado da Casa da Suplicação, e residiu muito tempo em Roma, onde era muito considerado pelo seu saber. Escreveu: “Thesaurus”, “Resolat ad leges municipal”, e “Ordination”, em português e latim.
            AGOSTINHO DA VITÓRIA. Estudou no Colégio do Instituto de S. João de Deus, no qual foi secretário e mestre.
            Escreveu a “Traslacion del cuerpo de S. João de Deus” – Madrid, 1667; “Instrução de Noviços da Ordem de S. João de Deus” – Madrid, 1668; “Adicion a la vida de Frei João Pecador” e a “Crónica da Religião de S. João de Deus”.
                FREI DIOGO DE S. TIAGO. Entrou para o Convento de S. João de Deus em Elvas a 10 de Setembro de 1703. Ali foi prior, passando depois para Lisboa. Faleceu no Convento de Montemor-o-Novo em 28 de Dezembro de 1747. Escreveu as “Postilhas Religiosas” e “Arte de Enfermagem”.
                FREI JOÃO DA CRUZ. Esteve no Convento da Trindade de Lisboa, vindo a ser uma capacidade em ciências escolásticas. Foi examinador das Ordens Militares, reitor do Colégio de Coimbra, e definidor e provincial. Escreveu “O sermão na canonização de S. Luís Gonzaga”, “O Tratado de Potest.” E “Jurisd. Conservatorum”.
                JOAQUIM JOSÉ VARELA. Estudou na Universidade de Évora. Intelectual entre o reformismo e a revolução, escreveu entre outras, as seguintes obras:
            “Memória sobre a extinção e supressão das ordens religiosas”, “Memória estatística acerca da notável Vila de Montemor-o-Novo” (este trabalho, editado em 1817, foi ajustado pela Dr.ª Teresa Fonseca, e reeditado em 1997 pelas Edições Colibri), “Balido das ovelhas eborenses”, e “Memória histórica da vida e acções de D. Frei Joaquim de Santa Clara Brandão”.
            Na Biblioteca de Évora existem três cartas suas dirigidas ao arcebispo D.  Joaquim de Santa Clara, pedindo-lhe protecção para a sua obra.
            LEOPOLDO AUGUSTO DE CARVALHO NUNES. O decano dos jornalistas portugueses nasceu na antiga Rua dos Marmelos no dia 22 de Fevereiro de 1897, e faleceu no Hospital de S. João de Deus a 4 de Janeiro de 1988.
            Além de jornalista, foi repórter, escritor, conferencista e benemérito. Fundou o programa “Sol e Toiros” na antiga Emissora Nacional.
            Foi proclamado em Vila Franca de Xira, no dia 23 de Novembro de 1941, “Ribatejano de Honra”. A Câmara Municipal de Coruche elegeu-o em Setembro de 1945, por aclamação, “Cidadão Honorário de Coruche”. Em 1965 recebeu o “Crachat de Ouro” dos Jornalistas. Recebeu em Maio de 1982 a “Medalha da Vila de Alcochete”.
Foi distinguido “Comendador de Mérito Civil de Espanha”, Grã-Cruz da Ordem de Isabel a Católica de Espanha”, “Comendador da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal” e “Grande Colar com Placa da Ordem de Santiago de Espanha.
            No dia 31 de Março de 2001, o Grupo dos Amigos de Montemor-o-Novo homenageou o Mestre, descerrando na casa onde nasceu, uma placa alusiva.
                ANTÓNIO ALBERTO BANHA DE ANDRADE. Nasceu no Palácio de Valenças, junto ao Castelo, a 3 de Setembro de 1915. Licenciado em filosofia pela Faculdade de Filosofia de Braga e em Ciências Históricas e Filosóficas na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, doutorou-se no ano da sua morte, em Ciências Históricas, nesta última instituição de ensino superior. Como especialista da Cultura Portuguesa, Banha de Andrade publicou, a partir de 1943, 72 trabalhos, sendo 12 relacionadas com Montemor-o-Novo. 
                Fez o seu doutoramento em História pela Universidade Clássica de Lisboa, com a nota de “Distinção e Louvor”, a mais alta classificação universitária. Faleceu em 5 de Junho de 1982.
            MANUEL JUSTINO FERREIRA. Nasceu a 18 de Setembro de 1928. Poeta, escritor, músico, fadista, amador de teatro, e cronista na imprensa e na rádio. Escreveu em 1950 o drama em 2 actos “O Perdão”, que foi representado na Sociedade Carlista, na comemoração do seu 89.º aniversário, e inúmeros textos carnavalescos, representados nas Sociedades Carlista e Pedrista.
            Em 1967, a Escola Industrial e Comercial de Estremoz realizou a nível nacional, entre alunos de todas as escolas do país, uns jogos florais, nas seguintes modalidades: Quadra, Conto e Poesia Livre. Manuel Justino, aluno do curso nocturno da escola montemorense, arrebatou os três primeiros lugares. Em homenagem ao aluno, foi colocada na escola uma lápide com a quadra vencedora:
EU À NOITE, ELE DE DIA / SEGUIMOS O MESMO TRILHO / DOIS ESTUDANTES! QU’ ALEGRIA / SER COLEGA DO MEU FILHO!
            Estas foram algumas das facetas mais conhecidas de Manuel Justino.
            No abismo mais profundo / Duma nova dimensão / Há mundos dentro do mundo / Duma bola de sabão!
            O poeta estaria longe de pensar que este seria o seu último poema, escrito num guardanapo de papel, à mesa de um café, no dia 19 de Maio, duas horas antes de ser atingido pela síncope cardíaca. O motivo inspirador foi uma menina que, perto de si, brincava com bolas de sabão. Faleceu no dia 28 de Outubro de 2002.
                Numa atitude a todos os títulos notável, o Grupo dos Amigos de Montemor-o-Novo, editou em 2004, o livro de poemas de Manuel Justino Ferreira, denominado “Poeta que parte… Poemas que ficam”, que teve a colaboração dos habituais carolas: João Luís Nabo, Manuel Filipe Vieira, José Alexandre Laboreiro e Leopoldo José Gomes.
            JOÃO CARLOS ALFACINHA DA SILVA. Nasceu a 24 de Março de 1949. O escritor, que usou o pseudónimo “Alface” faleceu na madrugada de 2 de Março, com 58 anos, vítima de acidente vascular cerebral ocorrido ao participar, numa sessão da Culturgest sobre a sua obra. Jornalista e guionista, revelou-se literalmente em 1977 com os “Lusíadas”, escrito de parceria com Manuel da Silva Ramos, livro audacioso e irreverente, criticamente saudado por Almeida Faria (outro excepcional escritor montemorense, felizmente pertencente ao número dos vivos). Ambos assinaram outras ficções, “As noites do Papa Negro” e “Beijinhos”. Mas, Alface teve uma extensa obra individual a partir de 1977:  
            Histórias Juvenis da série “Família sem Mestre” – “Um Pai Porreiro Ganha Muito Dinheiro” (1977, “Uma Mãe Porreira é Pra Vida Inteira” (1998), “Filhos Assim Dão Cabo de Mim” (1999), “Avó Não Pise o Cocó” (2000) e “A Prima Fica Por Cima” (2001).
            Livros de Contos – “Cuidado com os Rapazes (1982), em que nos descreve alguns episódios das suas aventuras infantis na Vila Notável, e nos trás à memória, a imagem do guarda rios José Abrantes a ler o jornal, flutuando nas águas calmas e cristalinas da saudosa Pintada, e “O Fim das Bichas” (1999).
            Romance – “Cá Vai Lisboa” (2004).
            O seu último livro foi “A Mais Nova Profissão do Mundo” (2006).
            Numa extensa entrevista a Maria João Seixas para o “Público”, esta perguntou-lhe: Alface, diz-me quem és. O elitista  respondeu: Hoje? Hoje, acho que sou o rapaz do trapézio voador, uma atracção do circo; Sou um escritor, um desempregado de longa duração. Nasci no Alentejo, em Montemor-o-Novo.

            E o Curvo Semedo? Estimado leitor, a vida e a obra de Belmiro Transtagano vai preencher o “Vasculhar o passado” de Março do próximo ano, como homenagem aos 250 anos do seu nascimento.

Augusto Mesquita
Maio/2015