segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

DIVULGAÇÃO - PROGRAMAÇÃO CICLO OUTONO EM MONTEMOR - o - NOVO

A CRONICA DE OPINIÃO HOJE TRANSMITIDA NA DIANA/FM

                 Bruno Martins - A força do debate

Segunda, 24 Novembro 2014 09:39
Decorreu este fim-de-semana a IX Convenção Nacional do Bloco de Esquerda. Para quem gosta de ler e ouvir as formas mal mastigadas de informação, recebeu a informação que este partido está dividido, e que esta divisão se deve a uma luta pela liderança. Quem mastiga a informação com uma saliva conservadora, neoliberal, alimentada pelas glândulas da finança, vaticina o fim do Bloco de Esquerda.
Desenganem-se! O Bloco de Esquerda está vivo. Está, como sempre esteve, para juntar forças, para acrescentar mais esquerda à esquerda, para quebrar com a ortodoxia de esquerda, com o cinzentismo e falsidade do centro esquerda, e com a demanda neoliberal da direita.
Quem assistiu a esta Convenção pôde ver um conjunto de pessoas que debatem a sério, sobre política e não sobre egos, sobre caminhos para a mudança e não sobre formas criativas de manter tudo na mesma. Viu uma esquerda que é capaz de divergir e debater de forma aberta, olhos nos olhos, mas que é capaz de sintetizar as divergências para uma política mais forte e mais perto das populações.
Cá estaremos, não se iludam. Estaremos, como sempre estivemos, na luta intransigente pelos direitos dos trabalhadores, dos precários, dos desempregados, das minorias, das mulheres, enfim, de todos os que são atropelados pelo rolo compressor da austeridade. Pelo direito ao trabalho e a uma vida digna, pela reestruturação imediata da dívida e pela abolição imediata da austeridade, essa máscara que apenas serve para financiar a usura dos mercados e da finança e destruir as nossas vidas.
Saímos mais fortes da Convenção, porque sabemos debater e porque cada um e cada uma dos bloquistas pensa pela sua própria cabeça. Saímos mais fortes porque a síntese das 5 moções em debate torna a nossa linha política mais forte e mais definida. Saímos mais fortes, porque alguém um dia nos ensinou a não desistir de nada.
Estamos pela luta toda! Sem muros ou sectarismos. Sem amarras ou constrangimentos.
Até para a semana!


domingo, 23 de Novembro de 2014

TEM RAZÃO SENHOR PULIDO. VÊ-SE QUE SABE DO QUE FALA

De manhã nunca havia nada que fazer – nem de resto à tarde ou à noite. Os senhores deputados estavam nas comissões, onde também não se discutia ou decidia coisa nenhuma. Mas normalmente o dia começava com o almoço, num restaurante qualquer, de preferência perto, porque nessa altura os da Assembleia da República (um para gente pobre, outro para gente rica) eram os dois tão maus, que só a esquerda e os pais de família os suportavam. *
Quando se voltava, era costume, para quem sabia ler, passar por um quiosque ao lado da porta do chamado hemiciclo e comprar um grosso molho de jornais para passar o tempo. Lá dentro, havia sempre um fila de advogados nervosos que queriam assinar depressa o “livro de presenças”, que garantia à Pátria a sua assiduidade, para depois de escapulirem para o seu autêntico trabalho.
Durante a sessão falavam algumas criaturas, por ordem da direcção do grupo parlamentar.. Entretanto, chegavam as cinco horas e no nosso lugar já se tinham acumulado alguns papéis sem justificação do seu fim ou indicação da sua origem. Um funcionário do partido vinha dizer aos representantes do povo como deviam votar ou não votar. A páginas tantas, veio mesmo um com um novo processo. Trazia uns papelinhos de cor que agrafava aos documentos que deviam fazer a felicidade da Pátria: encarnado significava não, verde sim e amarelo esperar. Assim se poupavam explicações ao rebanho.
…………………………………………….
Um esforço destes, devemos reconhecer, merece a gratidão do país. Admito que não aguentei aquele deprimente sítio, mais de três meses. Mas quem ficou merece com certeza uma enorme medalha e uma subvenção vitalícia.
Vasco Pulido Valente in Publico
*Há quem diga que não. !

     

DESPORTO NO FIM DE SEMANA - RESULTADOS

FUTEBOL

Distrital de Évora

Divisão de Elite
Cabrela 0 – Escouralense 2
Borbense 1 – Calipolense 1
Lavre 2 – Monte Trigo 2
Oriola 0 – Redondense 0
Perolivense 1 – Sporting Viana 3
Juventude 0 – Lusitano 1.

Taça Distrito de Évora
Canaviais 2 – Portel 1
Arraiolense 0–Estremoz 1
Estrela Vendas Novas 5– S,. Bartolomeu Outeiro 0
Corval  5– Alcaçovense 1.

Divisão de Honra – Acerto Calendário
Santana do Campo 2 – Fazendas do Cortiço 0

1ª Divisão – Torneio de Preparação – Jogo em atraso
Canaviais B 1 - Giesteira 0

Infantis Fut 7
Redondense 4 – Terena 0

Benjamins Fut 7
Terena  1 – Redondense 7

Nacional de Seniores – Jogo antecipado
1º Dezembro 1 – União de Montemor 4

Particular
ADC Stº António Baldio 2 – Amigos S. Brás dos Matos 1




PORQUE HOJE É DOMINGO !

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

INICIATIVA DO ALANDROAL EM DESTAQUE

                     Universidade Popular na mira do Instituto de Empreendedorismo Social

Considerada uma potencial iniciativa de inovação e empreendedorismo social pelo IES (Instituto de Empreendedorismo Social), a Universidade Popular de Alandroal está a ser alvo de investigação e análise pelo projeto MIES (Mapa de Inovação e Empreendedorismo Social) que visa mapear iniciativas de elevado potencial de inovação e empreendedorismo e divulgá-las nacional e internacionalmente, apostando na comunicação e partilha do conhecimento gerado.

Como tal, deslocou-se até ao Alandroal no dia de ontem, 19 de novembro, uma equipa especializada, com o objetivo de assistir às atividades e captar imagens para edição de um vídeo que ficará disponível em breve no website do MIES, juntamente com a informação completa do projeto.

Um reconhecimento público que enche de orgulho tanto a autarquia como todos aqueles que estão ligados à Universidade Popular e que diariamente contribuem para a fomentação de conhecimentos e troca de experiências, combatendo o isolamento e promovendo o envelhecimento ativo.



Fonte “site” C.M.A.

AS NOSSAS SUGESTÕES PARA O FIM-DE-SEMANA

                                                                    ALANDROAL



Realização: David Ayer
Intérpretes: Brad Pitt, Jason Isaacs, Jon Bernthal, Logan Lerman, Michael Peña, Scott Eastwood, Shia LaBeouf
Género: Drama/Guerra
Classificação: M/14
Duração: 134 min.

Bilhete: 3.50€ (Menores de 12 anos ou portadores de cartão jovem munícipe 2.65€)

Abril de 1945.  À medida que os aliados fazem a sua investida final pelo teatro europeu de guerra, Wardaddy, um sargento endurecido pela batalha, comanda um tanque Sherman e a sua equipa de cinco homens numa missão mortal por trás das linhas do inimigo. Com um número muito inferior, tanto de homens como de armas, Wardaddy e os seus homens enfrentam probabilidades esmagadoras na sua tentativa heroica de atacar o coração da Alemanha Nazi.
                                                                        MONTEMOR


                                                                                   ÉVORA





                                                                            OUTRAS





DESPORTO – JOGOS PROGRAMADOS PARA O FIM DE SEMANA

FUTEBOL

Distrital de Évora

Divisão de Elite
Cabrela – Escouralense
Borbense – Calipolense
Lavre – Monte Trigo
Oriola – Redondense
Perolivense – Sporting Viana
Juventude – Lusitano.

Taça Distrito de Évora
Canaviais – Portel
Arraiolense – Estremoz
Estrela Vendas Novas – S,. Bartolomeu Outeiro
Corval – Alcaçovense.

Divisão de Honra - Acerto calendário
Santana do Campo - Fazendas do Cortiço

1ª Divisão - Torneio preparação - Acerto Calendário
Canaviais B - Giesteira

Infantis Fut 7
Redondense – Terena
Benjamins Fut 7
Terena – Redondense


Nacional de Seniores - Serie G - Jogo antecipado
1º Dezembro - União de Montemor

Particular
A.D.C. Santo antónio Baldio - Amigos S. Bras dos Matos




RUGBY

Nacional – Divisão de Honra
A.A. Coimbra – R.C. Montemor 


FUTSAL




OUTRAS MODALIDADES



IMPRENSA REGIONAL DE HOJE


CRONICA DE OPINIÃO - RUBRICA DIÁRIA DA RÁDIO DIANA/FM

                                       Economia social

Sexta, 21 Novembro 2014 10:18
Falemos hoje de economia social ou, se quisermos, do terceiro setor.
Integra a economia social um conjunto de organizações que tomam princípios e valores comuns e que não têm o lucro como condição primeira, encontrando-se incluídas neste setor, entre outras, associações (ex: IPSS), cooperativas, fundações, misericórdias e mutualidades.
Exercem a sua atividade em todas as áreas da economia, em áreas tão distintas como o ambiente, a saúde, a cultura ou o apoio social.
É um sector em franco crescimento.
Mas a economia social assume hoje, quer na europa quer em Portugal uma enorme expressão.
Na europa ela representa cerca de 10% das empresas e gera 6% do total do emprego. Em Portugal apresenta uma taxa de 4% do total das empresas e do emprego, sendo responsável por 5,5% do PIB.
Este “grupo” é fundamental na redução das desigualdades sociais e no combate à pobreza e à exclusão social, porquanto muitas das organizações foram criadas, desde logo, para responder aqueles problemas, é algo que está na génese da sua constituição.
São entidades que, muitas vezes, substituem o Estado no seu papel de assegurar funções, sociais e outras, funções de fundamental importância para a organização e equilíbrio da sociedade.
E esta relação que se cria entre o Estado e as organizações que integram o setor tem naturalmente ganhos mútuos. O Estado “transfere” para aquelas organizações (ex: IPSS) algumas das suas obrigações, contratualizando com aquelas para que fique assegurada à sociedade essa obrigação.
No quadro europeu as metas definidas para Portugal no âmbito da Estratégia Europa 2020 requerem que se atinjam objetivos bem precisos:
Aumentar o Emprego (taxa de emprego da população entre os 20 e os 64 anos) para 75%;
Combate à Pobreza e às desigualdades sociais (pessoas em risco de pobreza / exclusão social – variação face a 2008) menos 200 mil.
E o Alentejo enquanto território de baixa densidade, com uma elevada taxa de população idosa e de baixos rendimentos, com tendência para aumentar, terá aqui preocupações acrescidas, pelo que será fundamental criar apoios que respondam cada vez mais à inclusão deste e outros grupos e as organizações da economia social, ou pelo menos parte delas, terá condições naturais para responder aqueles problemas e para que se consigam atingir as referidas metas.
Quanto ao emprego as organizações da economia social para além de já serem criadoras líquidas de emprego, também elas certamente irão ser um dos motoras da criação do emprego na região, um emprego que se quer inclusivo, sustentável e qualificado.
Rui Mendes


TIVERAM PESADELOS DURANTE A NOITE ? NÃO FOI ?

                  PSD retira proposta sobre subvenções vitalícias

               MAS OLHEM O MEU CONCEITO SOBRE A VOSSA ATITUDE NÃO SE ALTERA

É PRECISO NÃO TER UM PINGO DE VERGINHA NAS "FUÇAS"


                    VOCÊS NÃO SE ENVERGONHAM ?  TÊM ALGUMA MORAL? CAMBADA!...


                         AINDA ESTÃO A TEMPO! PONHAM A MÃO NA CONSCIÊNCIA: